Empresa petrolífera Total procura quadros talentosos em Angola

Fonte: Jornal de  Angola

A empresa petrolífera Total E&P Angola procura assiduamente por novos talentos angolanos que possam assegurar a continuidade e a competitividade do grupo no mercado nacional.
A entrada em funcionamento do campo de exploração petrolífera Dália, em Março, bem como a atribuição de novas zonas de desenvolvimento nos blocos 15 e 17, incluindo as descobertas no bloco 32 e o lançamento dos projectos LNG e Pazflor constituem uma base de oportunidades para novos postos de trabalhos para cidadãos angolanos.


Em todos os países em que o grupo Total opera, o normal é trabalhar com o pessoal nacional, na Itália com italianos, na Indonésia com indonésios e em Angola com angolanos, disse ao JA a directora dos recursos humanos, Ascensão Gambôa.
“Hoje, nós temos dificuldades em recrutar angolanos e, portanto, criamos medidas especiais para conseguir atingir este objectivo não obstante as dificuldades”.
O governo, apoiado pelo decreto-lei 20/82, prevê o aumento da percentagem de pessoal angolano nas empresas petrolíferas e a formação profissional do pessoal que vai de acordo com a política e a estratégia do grupo Total. Para assegurar de forma sustentável o desenvolvimento das suas actividades em Angola, o grupo Total criou em 2006 uma política de “angolanização”, que fixa nove princípios fundamentais para a sua implementação e garantir a sua transparência.
“A principal dificuldade encontrada na implementação da política de angolanização reside essencialmente na escassez de recursos humanos correspondente aos perfis procurados, para satisfazer as necessidades de recrutamento da Total E&P Angola, em todas as áreas de actividades”, disse Ascensão Gambôa.
Para colmatar este impasse, de acordo à nossa entrevistada, a Total E&P Angola tem atribuído bolsas para compensar as insuficiências que o mercado angolano apresenta, visto que neste momento existem muitas empresas à procura de recursos humanos qualificados.
Em 2007, a Total E&P Angola recrutou 176 colaboradores que aumentaram as equipas em todas as áreas de actividade.
“ A cada ano, as campanhas permitem-nos detectar jovens talentos. No ano passado, acrescentamos ao nosso viveiro mais 112 jovens universitários, o que fez aumentar os nossos bolseiros para 230”, frisou.
Para além de atribuir bolsas universitárias no exterior e com a evolução do ensino em Angola, o Grupo Total passou a atribuir bolsas também em Angola. “desta forma, aumentámos o número de bolseiros neste ano para 201”.

 

 

                                                          PATROCINADORES